faça sua pesquisa

sexta-feira, 24 de maio de 2019

OBSTÁCULO, RELAÇÕES CAUSAIS E KARDEC - HOJE E SEMPRE 270


quinta-feira, 23 de maio de 2019

SUGESTÃO IMPORTANTE E VÁLIDA E KARDEC - HOJE E SEMPRE 269



A lógica utilizada por Allan Kardec para a elaboração das obras básicas do Espiritismo ressalta de sua afirmação na matéria que abre o número de dezembro de 1864 da REVISTA ESPÍRITA quando diz que “o pensamento é o atributo característico do Ser espiritual; é ele que distingue o Espírito da matéria; sem o pensamento o Espírito não seria Espírito”. Descartes, filósofo e matemático do século 17, estava certo em sua afirmação “penso, logo existo”. Na própria contribuição de Kardec, encontramos um conteúdo extraordinário a ser refletidos até por ser  aplicável na conturbada realidade em que vivemos neste momento da História da Humanidade.  Reunimos alguns, “garimpados” no substancial acervo representado pela publicação fundada e dirigida pelo grande pesquisador oculto no pseudônimo que lhe identifica esse manancial.1- Somos a individualização do Fluido Cósmico Universal (..). Cada um de nós tem, pois, fluido característico, que nos envolve e acompanha em todos os movimentos, sendo muito variável, a extensão de nossas atmosferas individuais. 2- As diferentes atmosferas individuais se entrecruzam e misturam sem jamais se confundirem, exatamente como as ondas sonoras que se conservam distintas apesar da imensidade de sons que simultaneamente abalam o ar. 3 - O períspirito é impregnado do pensamento do Espírito, irradiando tais qualidades em torno do corpo, formando uma espécie de vapor (aura) que dele se desprende. 4- Cada um de nós carrega consigo uma atmosfera fluídica, como o caracol a sua concha, fluido que deixa vestígios à sua passagem. 5- Os mais secretos “pensamentos/sentimentos” repercutem no envoltório fluídico. 6- Pensamento é uma emissão que ocasiona perda real de fluidos espiritual. Por consequência, fluidos materiais. Desse modo, o homem precisa retemperar-se com os eflúvios que recebe do exterior 7- O homem sente instintivamente tal perda. Procura reuniões homogeneizadas e simpáticas. Nelas recupera as perdas fluídicas que sofre constantemente pela irradiação do pensamento, como recupera pelos alimentos perdas do corpo material.  8- Sendo o períspirito dos encarnados de natureza idêntica à dos fluidos espirituais, ele os assimila com facilidade, como uma esponja se embebeda de um líquido. 9 – O fluido vital se transmite de um indivíduo para outro.10- Os órgãos do corpo estão, por assim dizer, impregnados de fluido vital, o qual dá a todas as partes do organismo uma atividade que as une em certas lesões e restabelece as funções momentaneamente suspensas. 11- A vontade dilata esse fluido como o calor dilata os gases.12- A quantidade de fluido vital se esgota. 13- Os meios onde superabundam os maus Espíritos, são impregnados de maus fluidos que oe encarnado absorve pelos poros perispiriticos, como absorve pelos poros do corpo doenças contagiosas graves. 14- Pensamentos colhidos na fonte das más paixões,- ódios, inveja, ciúme, orgulho, egoísmo, animosidade, cupidez, falsidade, hipocrisia, malevolência, etc -, espalham em tono de si eflúvios fluídicos malsãos que reagem sobre os que o cercam. Pela amostra, vemos que não apenas Kardec cercou o tema fluidos/pensamento/ equilíbrio de uma série de observações capazes de nos levar a pensar de forma objetiva sobre a questão. Sobre a reposição dessa energia desperdiçada pela nossa falta de maiores informações, lembramos de apontamento de Aniceto a André Luiz na obra ENTRE A TERRA E O CÉU (FCX, feb), onde diz: -“O Oceano é miraculoso reservatório de forças (...). Qual acontece na montanha arborizada, a atmosfera marinha permanece impregnada por infinitos recursos de vitalidade. O oxigênio sem mácula, casado às emanações do planeta, converte-se em precioso alimento de nossa organização espiritual, principalmente quando ainda nos achamos direta ou indiretamente associados aos fluidos da matéria densa”.  E o médium Chico Xavier, em comentário com amigos, revelou: -“A cada seis meses saio para descansar um pouco, cerca de um dia e meio ou dois. Eu consigo este descanso de uma forma muito interessante. É quando tenho a oportunidade de abraçar as árvores.(...). Elas me auxiliam bastante no refazimento das forças de que tanto preciso para o trabalho”.









segunda-feira, 20 de maio de 2019

ESPIRITO SANTO; FÉ E OBRAS E KARDEC - HOJE E SEMPRE 266


O professor José Benevides Cavalcante (FUNDAMENTOS DA DOUTRINA ESPÍRITA, eme), esclarece mais duas duvidas de leitores. MANIFESTAÇÕES DO ESPIRITO SANTO Como o Espiritismo vê a manifestação do Espírito Santo nas igrejas? Essa manifestação seria realmente do Espírito de Deus ou um outro Espírito que se comunica? Como saber se se trata de um Espírito bom, em que se pode confiar?  A questão é delicada. Não pretendemos criticar ou ferir a fé de nossos irmãos evangélicos e carismáticos, que merecem o maior respeito. As igrejas todas são boas quando as pessoas que delas participam estão bem intencionadas. Mesmo que essas pessoas não tenham um conhecimento mais profundo daquilo que se passa durante seus cultos, o importante e fundamental é o que elas trazem no coração - a sua crença, a sua fé em Deus e as suas elevadas intenções. O mais importante, certamente, é a espiritualidade que elas buscam. Quando nos alimentamos, o importante é o teor nutritivo do alimento, seja lá qual for o nome que se dê a esse alimento. Do mesmo modo, o fato de conhecermos ou não a composição química do alimento que estamos ingerindo, não modifica suas propriedades nutritivas. Assim é em relação à nossa relação com Deus, quando estamos movidos de boas intenções. Para a Doutrina Espírita, quem se comunica através das pessoas são Espíritos. Muitas vezes, Espíritos protetores e amigos, que se preocupam em alimentar espiritualmente os fiéis, de acordo com suas necessidades e o seu nível de compreensão diante da vida. Dêem a eles o nome de Espírito Santo ou outros nomes, isso não importa. O mesmo acontecia nos primeiros tempos do Cristianismo, quando Paulo estava à frente do movimento. Na sua primeira carta aos Coríntios, por exemplo, a partir
do capítulo 12, ele fala dos dons espirituais (para nós, dons mediúnicos) e diz que esses dons são dádivas de Deus às
criaturas. Não é por outra razão que Paulo se mostra tão preocupado se os Espíritos são de Deus (ou seja, se eles são verdadeiros ou dignos de confiança), porque, por vezes, muitos são enganadores, como acontece também
com os encarnados que, muitas vezes, usam o nome de Deus, exploram a fé simples do povo, para tirarem proveito em benefício próprio. O essencial, nesse caso, é saber se o que recebemos das comunicações está de acordo com o
princípio do amor ao próximo, ensinado por Jesus, para evitarmos o que o Evangelho chama de “falsos cristos” e
“falsos profetas”. O único meio de podermos verificar se há honestidade e verdade na comunicação é pelo valor moral de que ela vem revestida. PAULO: FÉ E OBRAS Na Bíblia, Paulo ensina que somos justificados pela fé e não pelas obras. Em Gálatas, capítulo 2, versículo, 16, ele diz: ‘ Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da Lei, mas pelaMfé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, e não pelas obras da Lei, porquanto pelas obras da Lei nenhuma carne será justificada’. Se o Espiritismo diz seguir Jesus e acreditar somente no valor das obras, como explica essa afirmação? Cremos que há uma pequena confusão na forma de interpretar esse versículo. Na verdade, esse versículo pertence a uma carta que Paulo dirigiu aos Gálatas, preocupado que estava com a questão da circuncisão. A circuncisão é a retirada do prepúcio - uma pele que envolve o pênis dos meninos e que pode, muitas vezes, causar-lhes uma série de problemas. Os judeus, desde Moisés, consideravam a retirada do prepúcio - ou seja, a circuncisão - como um preceito da lei de Deus, como um mandamento divino, uma obrigação sagrada a que os pais não podiam se omitir de forma alguma. Paulo não via essa questão como fundamental e achava mesmo que ela nada tinha a ver com os ensinamentos de Jesus, que estava preocupado com o Espírito e não com o corpo. Todavia, muitos judeus ortodoxos, que pretendiam seguir Jesus, sem abrir mão das práticas tradicionais do judaísmo, também não abriam mão desse preceito, considerando que a circuncisão deveria continuar sendo um mandamento divino e, portanto, uma prática obrigatória também entre os seguidores de Jesus. Jesus não se referira ao assunto. Embora hoje nos pareça uma questão de pouca importância sob o ponto de vista religioso, naquele momento ela foi fundamental, porque se transformou numa discussão tão acalorada, que dividiu os primeiros cristãos - até mesmos seus líderes - abalando a fé de muita gente. Isso porque os que seguiam Jesus eram quase todos judeus e, muitos deles eram fiéis à tradição da lei de Moisés. Portanto, quando Paulo fala em “obras da lei” nesse versículo, essa expressão diz respeito às práticas recomendadas por Moisés - e ele (Paulo) está se referindo à circuncisão, dizendo que essa prática não tem importância alguma para os que seguem Jesus, que ela nada tem ver com a fé em Jesus, pois esta, sim, a fé em Jesus, é que identifica seu verdadeiro seguidor. Veja o que vem mais adiante, já no capítulo 5º da mesma carta aos Gálatas, precisamente no versículo 6, quando Paulo diz: “Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude ( ou seja, têm valor), mas, sim, a fé que opera por caridade”. E, no versículo 14, ele complementa: “Porque toda a lei se cumpre numa só palavra: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. Paulo está mostrando, aqui, que praticar ou não praticar a circuncisão não tem importância alguma sob o ângulo da crença, se não houver verdadeiro amor, porque, onde existe verdadeiro amor, existe a caridade - ou seja, a prática do bem. Tanto assim que no versículo 22, ele conclui: “ Mas o fruto do Espírito é, caridade, gozo, paz,
longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” Portanto, prezado leitor, não podemos tirar conclusões apenas de versículos isolados, mas ler e saber o contexto de toda a carta para sabermos de que assunto está tratando e o objetivo a que ele pretende chegar.