faça sua pesquisa

terça-feira, 26 de março de 2019

EVOLUÇÃO, ATRAÇÃO E KARDEC - HOJE E SEMPRE 212


domingo, 24 de março de 2019

INFLUÊNCIA ESPIRITUAL; MORRER E KARDEC - HOJE E SEMPRE 211










NÃO ERA UM SONHO E KARDEC HOJE E SEMPRE 210


-“Que sonho singular!... Sinto-me arrastado por um turbilhão, cuja duração não compreendo.... Alguns amigos que julgava mortos, convidaram-me para um passeio, e eis-nos arrastados. Para onde vamos?...  Olha! Brincadeira esquisita! A um grupo espírita!....  Ah!. Que farsa engraçada, ver essa boa gente conscienciosamente reunida!... Eu conhecia uma dessas figuras... Onde a vi? Não sei (...). Eu vos ouvi, senhores e senhoras e vos apresento meus profundos respeitos. Escreveis. Ao que me parece, e vossas mãos ágeis sem dúvida vão transcrever o pensamento dos invisíveis!... Espetáculo inocente!...Sonho insensato este meu.! Eis um que escreve o que digo a mim mesmo... Mas absolutamente não sois divertidos, nem também meus amigos, que tem rostos compassivos como os vossos – Espíritos dos que haviam morrido antes dele, e que julga ver em sonho - (...). Ei-los em busca de um problema insolúvel, condenado pela Ciência, pelos pensadores, pelos trabalhadores!... Falta-lhes instrução... A ignorância é a lei de Loyola largamente aplicada.(...) Ah!.. Se na verdade houvesse um grão de verdade em vossas elocubrações! Haveria para o materialista matéria para o suicídio!... Olhai!. Eu vivi largamente; desprezei a carne, revoltei-a; ri dos deveres da família, de amizade. Apaixonado, usei e abusei de todas as volúpias, e isto com a convicção que obedecia às atrações da matéria, única lei verdadeira em vossa Terra, e isto eu renovarei ao meu despertar, com a mesma fúria, o mesmo ardor, a mesma habilidade. Tomarei a um amigo, a um vizinho, sua mulher, sua filha ou sua pupila, pouco importa, desde que, estando mergulhado nas delícias da matéria, rendo homenagem a essa divindade, senhora de todas as ações humanas. Mas, se me tivesse enganado?... Se tivesse deixado passar a verdade?... Se, realmente, houvesse outras vidas anteriores e existências sucessivas após a morte? Se o Espírito fosse uma personalidade vivaz, eterna, progressiva, rindo da morte, retemperando-se no que chamamos provação?... Então haveria um Deus de justiça e de bondade?(...). Oh! Então se estivésseis com a verdade, eu queimaria o cérebro ao despertar, tão certo quanto me chamo...O relato pertence, na verdade, a um Espírito identificado como Luiz, que se manifestou imaginando que sonhava quando, na verdade havia desencarnado dois meses antes, em Paris, conforme exposto por Allan Kardec em matéria inserida na REVISTA ESPÍRITA, edição de fevereiro de 1869. Descrito por Kardec como um homem muito inteligente, escritor, assistira anos antes a reunião da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, testemunhando diversos casos de mediunidade. Viu, principalmente, “um sonâmbulo, que lhe deu evidentes provas de lucidez, em coisas que lhe eram absolutamente pessoais, mas nem por isto se convenceu da existência de um princípio espiritual”. Em reunião posterior, através de outro médium, pela fala e não pela escrita, como da primeira vez, também espontaneamente, ou seja, sem ter sido evocado, discorreu durante uma hora, reproduzindo na manifestação sua atitude, gestos, a voz e a linguagem, a ponto de ser facilmente reconhecido pelos que o conheceram. A todas as perguntas e objeções que lhe foram feitas, pretendeu explicar tudo pelo estado de sonho, embaraçando-se muito a uma pergunta a ele feita, da qual se esquivou várias vezes: -“O corpo pelo qual nos falais não é o vosso, pois é magro e o vosso era gordo. Onde está o vosso verdadeiro corpo? Não está aqui, pois não estais em vossa casa. Quando se sonha, está-se em seu leito. Ide, pois, ver em vosso leito se o vosso corpo lá está e dizei-nos como podeis aqui estar sem o vosso corpo?”. Ponderando sobre o caso, Kardec em observação ao final da matéria diz: -“Como se viu, era um tipo de materialista sensualista; jamais teria aceitado o Espiritismo. Os homens dessa categoria buscam as consolações da vida nos prazeres materiais; (...). Para eles o Espiritismo não é um benefício, mas um estorvo; não há provas que possam triunfar de sua obstinação: repelem-nas, menos por convicção do que por medo de que seja uma verdade”.  








quarta-feira, 20 de março de 2019

DEUS E A CIÊNCIA E KARDEC - HOJE E SEMPRE 207


O professor José Benevides Cavalcante (FUNDAMENTOS DA DOUTRINAS ESPÍRITA, eme) esclarece a seguir duvida de um leitor. Será que vai chegar um dia a Ciência vai reconhecer a existência de Deus? Talvez estejamos caminhando para isso, mas acreditamos que essa possibilidade está num futuro ainda remoto. Para isso, teríamos de ter uma completa reformulação da ciência, que só o tempo será capaz de exigir, pois, além da experiência histórica negativa que a Ciência teve com a religião, ainda temos muito que melhorar espiritualmente para transformarmos a Ciência num instrumento efetivo e exclusivo do bem. Contudo, precisamos fazer uma distinção entre a Ciência e o cientista. Existem cientistas ateus e existem cientistas que acreditam em Deus. Esse fato não impede que ambos trabalhem pela Ciência, porque a Ciência , em si, não cogita de Deus; seu objeto é o estudo da matéria, das causas materiais dos fenômenos físicos e não das razões por que o universo existe, ou se existe ou não existe um princípio criador. Quando a Ciência surgiu, há cerca de 5 séculos passados, ela estava ligada à Religião, pois os próprios cientistas eram religiosos. Galileu e Newton, por exemplo, expressões máximas desses períodos, referiam-se a Deus em seus escritos e viam as leis do Universo como leis de Deus. Mas nessa época, a Religião, representada pela Igreja Católica, ainda era o conhecimento dominante no mundo e era ela que estabelecia o que devia ser e o que não devia ser aceito pela ciência, segundo seus próprios interesses. Por isso, muitos cientistas foram perseguidos, como o próprio Galileu, e outros até sacrificados porque ousavam discordar da Igreja. Aos poucos, os homens que pesquisavam a natureza e suas leis, foram percebendo que o mais sensato seria desvincular por completo a Ciência da Religião, porque a pesquisa dos fenômenos naturais não poderia depender simplesmente da fé, mas deviam estar apoiados em fatos. E isso veio acontecendo, de tal forma, que no século 19 ( século em que surgiu o Espiritismo) já havia uma nítida separação entre a verdade científica e a verdade religiosa. Quando o astrônomo e matemático francês, Laplace, apresentou a Napoleão um modelo explicativo do movimento dos astros, o Imperador lhe perguntou onde estava Deus na sua teoria e ele respondeu dizendo que não foi preciso recorrer à essa hipótese. Estava, assim, definitivamente rompida as relações entre o saber científico e a verdade religiosa. Daí em diante, a Ciência voltou ao estudo do mundo material, sem considerar ou se preocupar com a existência de Deus. Ela passou a se ocupar exclusivamente do mundo visível, palpável, aquele que pode ser observado, medido, calculado, experimentado. Seu objetivo passou a ser única e exclusivamente a descoberta das leis que regulam os fenômenos da natureza - como a chuva, o vento, os vulcões, as doenças, o movimento dos astros, etc. Desse modo Deus não podia ser uma cogitação da Ciência materialista. Todavia, a concepção de Deus continuava a ser objeto de interesse da Filosofia e da Religião. A religião tratava Deus sob o ângulo da fé e a Filosofia cuidava de Deus do ponto de vista do raciocínio. Allan Kardec, em suas obras, ainda faz essa nítida distinção entre Ciência e Religião. Ele diz que a Ciência é o estudo da matéria e que o Espiritismo é o estudo do Espírito e que, no futuro, haveria uma forte ligação entre eles, porque um depende do outro, mas cada um preservaria as suas próprias características. Para Kardec, o estudo do Espírito deve ter realmente uma área própria, diferente da área de estudo da Ciência. Entretanto, depois de Allan Kardec, alguns cientistas de renome – a exemplo do químico inglês William Crookes, do médico francês Charles Richet e do físico alemão Frederich Zöllner e muitos outros – resolveram estudar os fenômenos mediúnicos à luz da Ciência e descobriram muitos fatos significativos, acreditando que esses fenômenos também devem ser do interesse da Ciência; logo a Ciência poderia pesquisar também o Espírito, já que os fenômenos de materialização de Espíritos demonstram a existência de outros tipos de matéria, que podem ser objeto de estudo da Física. Esses precursores do estudo científico do Espírito  embora, até hoje, não tenham sido aceitos pela maioria dos pesquisadores por razões de preconceito - contribuíram para a que se criasse uma área específica desses estudos, a Parapsicologia, já no final do século 19, disciplina científica que tem seu próprio campo de investigação. Diante disso, é possível que as pesquisas nesse campo - ainda em fase embrionária - possam fazer com que o interesse pelo Espírito ganhe corpo no meio científico já neste século. O Dr. Hernani Guimarães Andrade, pesquisador espírita que tinha uma visão otimista a respeito disso. E nós, de nossa parte, consideramos que o caminho para fazer com que a Ciência se interesse por Deus seja o das pesquisas sobre a sobrevivência da alma, certamente. A aceitação de que o Espírito humano sobrevive à morte é o maior passo para se chegar à concepção de Deus. “Assevera Paulo refletidamente: “Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz do Senhor; andai como filhos da luz.” Raras pessoas conseguirão afirmar que desconhecem.