faça sua pesquisa

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

AS RAÇAS E O ESPIRITISMO; EM BUSCA DA VERDADE COM O PROFESSOR

 Embora alguns antropólogos considerem que o isolamento foi um elemento importante no processo de diferenciação e origem das raças na Terra, visto que não mantendo contato entre si arranjavam soluções próprias para enfrentar os desafios do ambiente em que viviam, originando os três grandes grupos em que convencionalmente o Ser humano é dividido (negroides, caucasianos e mongoloides), o Espiritismo tem algo mais a acrescentar. No interessante e geralmente mal interpretado artigo com que abre o número de abril de 1862 da REVISTA ESPÍRITA, Allan Kardec racionaliza escrevendo que “há no homem, duas partes bem distintas: o Espírito, Ser pensante, e o corpo, instrumento das manifestações do pensamento, mais ou menos completo, conforme as necessidades”. Segundo ele isso determina uma consequência inevitável: a perfectibilidade das raças. Afirma que elas são perfectíveis pelo Espírito que evolui através de suas várias migrações, em cada uma adquirindo, pouco a pouco, as faculdades que lhe faltam, necessitando à medida que suas faculdades se ampliam de um instrumento adequado, como uma criança que cresce precisa de roupas maiores. Sendo insuficientes os corpos constituídos para o seu estado primitivo, necessitam encarnar-se em melhores condições, e assim por diante, conforme o progresso alcançado”.  Pondera, contudo, que também “as raças são perfectíveis pelo corpo; mas é somente pelo cruzamento com raças mais aperfeiçoadas, que trazem novos elementos que, por assim dizer, que aí se enxertam os germes de novas características. Esse cruzamento se faz pelas emigrações, as guerras e as conquistas. Sob esse ponto de vista, as raças são como as famílias que se abastardam, quando não recebem sangue novo. Então não se pode dizer que haja raça primitiva pura, porque sem o cruzamento, essa raça será sempre a mesma, pois seu estado de inferioridade depende de sua natureza; degenerará, em vez de progredir, o que determina o seu desaparecimento, ao cabo de certo tempo”. Acrescenta ainda que “essa teoria levando-nos a considerar na questão do aperfeiçoamento das raças os dois elementos constitutivos do homem: o elemento espiritual e o corporal é preciso conhecer a ambos, o que só o Espiritismo pode esclarecer no que respeita à natureza do elemento espiritual – o mais importante – por ser o que pensa e sobrevive, visto que o corporal se destrói”.  Cinco anos mais tarde, Allan Kardec se serviria de uma série de comunicações ditadas à Sociedade Espirita de Paris justamente nos anos de 1862 e 1863, sob o título ESTUDOS URANOGRÁFICOS assinados pelo Espírito Galileu através do médium Camille Flamarion para compor o último livro por ele organizado A GÊNESE o qual incluiria ainda mais duas abordagens OS MILAGRES E AS PREDIÇÕES segundo o Espiritismo. O estudo do primeiro tema ocuparia 6 dos 12 capítulos que o constituem. Entre eles, Galileu considera não haver nada de impossível na tese dos fisiologistas sobre o corpo do homem não ser senão uma transformação do macaco quando do surgimento dos primeiros Espíritos humanos na Terra. Diz que, “admitida tal hipótese, pode-se dizer que, sob a influência e pelo efeito da atividade intelectual de seu novo habitante, o envoltório modificou-se, embelezou-se nos detalhes, conservado em tudo a forma geral do conjunto. Os corpos melhorados, em se procriando, reproduziram-se nas mesmas condições, como ocorre com as árvores enxertadas, originando uma nova espécie que, pouco a pouco, se distanciou do tipo primitivo, à medida que o Espírito progrediu. O Espírito macaco, que não se exterminou, continuou a procriar corpos de macacos para seu uso, como o fruto da planta brava reproduz planta brava, e o Espírito humano procriou corpos de homens, variantes do primeiro molde que se estabeleceu. A linhagem se bifurcou; ela produziu um descendente, e esse descendente tornou-se linhagem, sendo provável que os primeiros homens que apareceram sobre a Terra devem ter pouco diferenciado do macaco pela forma exterior, e, sem duvida, não muito mais pela inteligência”. Mais à frente em seu estudo, Galileu acrescenta um dado novo às suas explicações. Falando sobre Emigrações e Imigrações dos Espíritos, revelando as razões dos desencarnes e reencarnes coletivos em certos períodos, revela que além dessa transfusão de Espíritos entre diferentes Dimensões planetária, “há emigrações e imigrações coletivas de um mundo a outro, donde resulta a introdução, na população de um Globo, de elementos inteiramente novos; novas raças de Espíritos que vem se misturar às raças existentes, constituindo novas raças de homens. Como os Espíritos nunca perdem o que adquiriram, levam com eles a inteligência e a intuição dos conhecimentos que possuem, imprimindo, consequentemente, o seu caráter à raça corpórea que vem animar”.



 


Esta questão vem de uma dúvida levantada por um dos participantes de  nosso grupo de estudo no Caminho de Damasco, que diz o seguinte: “Se Deus é perfeito e sabe tudo, com certeza ele sabe de nossos problemas e de nossas necessidades. Então pergunto: por que temos que orar?  Será que Deus faz questão que a gente se ajoelhe diante Dele para pedir, só para sentir poderoso e nós tão insignificantes perante sua imensa grandeza, se Ele já sabe do que precisamos e pode nos dar tudo que quiser?”

 Há nos evangelhos um singular episódio contando que, certo dia, Jesus entrou em Jericó, acompanhado de uma multidão que, em grande parte, devia ser constituída de pessoas que buscavam cura milagrosa para os males do corpo. À margem da estrada, entre outros mendigos, havia um cego, que ouviu o nome de Jesus e,  percebendo a movimentação do povo, passou a gritar bem alto por ele:  “Filho de Davi, tem piedade de mim!” E repetia esse chamamento sem parar.

 Alguns dos discípulos  ficaram irritados com os gritos do cego e procuraram calá-lo, mas Jesus interveio e lhes disse que fizesse com que o cego viesse até ele. Ora, havia muitos ali necessitados de cura, mas naquele momento Jesus chamou apenas o cego. Este, porém, com toda dificuldade, conduzido por outros, veio até Jesus e ali ocorreu a cura. “A tua fé te salvou” – disse Jesus por fim. O episódio sugere que questionemos por que Jesus não foi ao cego, mas pediu que o cego viesse a ele.

  Na verdade, por suas palavras finais – “A tua fé te salvou”, Jesus fez com o cego fosse o agente da própria cura, empregando seu próprio esforço – primeiro gritando, depois caminhando com dificuldade até ele – para acionar com sua vontade os recursos curativos. É isso que Deus quer de todos nós. Além da fé, Ele quer a nossa movimentação em sua direção, movimentação que complementa nosso esforço.

 A prece ou oração, quanto pronunciada com fé, exerce primeiramente uma grande ação sobre nós mesmos, atingindo-nos tanto a nossa organização física quanto o lado espiritual. O milagre vem da natureza, desde que haja condições para isso. Jesus, como Espírito puro, tinha pleno domínio sobre essa questão, e sabia do potencial de cada um para poder acionar essas forças naturais. Foi o que aconteceu no caso do cego de Jericó.

 Logo, a prece não tem por finalidade nos submeter a Deus, visto que essa submissão já existe por natureza. Não tem por finalidade enaltecer ou engrandecer a Deus, uma vez que Deus já é perfeito e não tem necessidade de recorrer a nós, pois nada é maior que Ele.

 A prece tem por finalidade nos ligar a Deus em intenção e sentimento, pois quando nos reportamos ao Pai tudo em nós adquire uma dimensão divina, contribuindo para a nossa harmonia íntima e nos favorecendo na solução de problemas.  Não é Deus que vai resolvê-los, é claro; somos nós mesmos. Mas precisamos adquirir essa força divina e é o Pai que, de mil maneiras, nos ajuda nesse sentido, razão pela qual nem sempre alcançamos o que queremos, mas obtemos o que necessitamos.